Terror noturno: como lidar com esta fase dos seus filhos

Ao longo do seu crescimento as crianças passam por fases que, apesar de comuns, podem assustar os pais, especialmente os de primeira viagem. Os terrores noturnos são algo que quase todas as crianças passam.

Os terrores noturnos podem ser assustares. A melhor forma de lidar com eles é estar informada e saber como lidar com esta fase.

Confira aqui o que é e o que fazer quando o seu filho tiver terrores noturnos.

Leia também: Sono infantil: 5 dicas para seu filho dormir bem a noite inteira

Advertisement

O que é o terror noturno?

O terror noturno é um distúrbio do sono que costuma acontecer entre os 3 e os 7 e que leva a criança a gritar e a chorar, mas sem acordar e apesar de bastante intenso a criança tende a não se lembrar do que que acontece.

Uma crise de terrores noturno pode durar até 20 minutos e pode ser bastante assustador.

Os terrores noturnos podem ser confundidos com pesadelos, no entanto apresentam sinais caraterísticas. Deixamos aqui alguns dos sinais principais para conseguir identificar.

Sinais de terror noturno

Agitação
Gritos
Coração acelerado
Suor frio
Olhos abertos

Advertisement

Como atuar no caso de terrores noturnos

O instinto materno leva-nos a querer acordar e abraçar a criança protegendo-a desta fase menos boa. É o que acontece sempre quando os nossos filhos choram ou se magoam. No entanto no caso de terrores noturnos é deixar que o episódio passe.

Cada episódio pode durar entre 10 a 20 minutos, é importante que fique ao lado do seu filho, mas evite tocar ou acordar para não o assustar.

Tente manter a calma, quando a criança acalmar pode deixá-la dormir ou então acordar com calma e perguntar se precisa de alguma coisa, mas sem falar do assunto naquele momento.

Mais tarde e com mais calma questione a criança sobre alguns aspetos da sua vida para ver se algo está a incomodar a criança, apesar de não haver muitas explicações para a ocorrência dos terrores noturnos.

Advertisement

Assim como surgem os terrores noturnos também desaparecem. No caso de os episódios serem frequentes deve consultar um médico.

Advertisement
Luana Araujo Silva

Resindência em Enfermagem Neonatal pela Universidade Estadual de Londrina/PR com amplo campo de atuação: Maternidade de Baixo Risco, Maternidade de Alto Risco, Unidade de Cuidados Intermediários e Intensivos Neonatal, Recepção do Recém nascido termo e pré termo na sala de parto. Segmento ambulatorial do recém nascido pré termo Habilitada para inserção e manutenção de Cateter Central de Inserção Periférica (CCIP/PICC), com auxilio de ultrassom e Inserção de Cateter Umbilical Arterial e Venoso. Também possui ampla bagagem na áreade aleitamento materno em recém-nascidos a termo e pré-termo.