TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

O TDAH (Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade) é um problema neurológico que surge na infância e que na maioria dos casos acompanha a pessoa pela vida toda. Esse problema se caracteriza pelos sintomas de inquietude motora, desatenção e impulsividade.

É essencial dizer que o TDAH não é uma doença, por isso, não existe uma cura para solucioná-lo e sim um tratamento para viver melhor com esse problema. Para muitos pais este é um termo que está cada vez mais presente na sua vida.

Os sintomas costumam aparecer na infância. Porém, o diagnóstico pode ficar mais evidente a partir do momento que a criança vai para a escola, porque a criança com TDAH pode apresentar dificuldade em prestar atenção às aulas, responder as questões sem terminar de ler e não conseguir ficar parado.

O Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade é comum?

Este é um tema cada vez mais discutido, segundo a Associação Brasileira,  3 a 5% da população infantil brasileira e de outros países do mundo, é diagnosticado com TDAH. Mas este não é apenas um problema das crianças, cerca de 4% da população adulta sobre deste problema.

O déficit de atenção é mais comum no sexo masculino do que no feminino na população geral na proporção 2 por 1 em crianças.

Como conviver com TDAH

As pessoas que convivem com esse transtorno precisam de atenção, acolhimento e tratamento. Isso, porque essas pessoas podem se sentir rejeitadas e ter sua autoestima abalada, por causa dos sintomas causados por esse transtorno.

Crianças com esse transtorno podem ter dificuldade em conseguir brincar com outras crianças, podem tirar notas baixas na escola e dificuldade em manter o foco.

Da mesma maneira, os adultos podem não ter um rendimento satisfatório para subir em sua carreira profissional. Entretanto, com um diagnóstico e tratamento adequado é possível que as pessoas que apresentam o TDAH tenham um rendimento bom e uma boa qualidade de vida.

Sintomas do TDAH

A maioria dos diagnósticos é feita quando a criança entra na escola, nesta altura é possível identificar alguns sintomas.

Não prestar atenção a detalhes ou cometer erros por descuido em atividades da escola, trabalho ou outras atividades;

Ter dificuldade de manter a atenção em tarefas ou atividades lúdicas;

Não escutar quando alguém fala com você;

Não seguir instruções e não terminar os deveres de casa, tarefas domésticas ou de trabalho;

Ter dificuldade para organizar atividades e tarefas;

Evitar, relutar ou não gostar de se envolver em tarefas que pedem esforço mental prolongado;

Perder objetos necessários às atividades ou tarefas;

Ser facilmente distraído por estímulos externos;

Esquecer as atividades do dia a dia.

Sintomas mais comuns de hiperatividade e impulsividade

Remexer mãos e pés ou se mexer o tempo todo na cadeira;

Levantar da cadeira em sala de aula ou em outras situações que precisa ficar sentado;

Correr ou subir nas coisas, em situações em que não é apropriado;

Ser incapaz de brincar ou se envolver em atividades de lazer;

Não se sentir confortável ou não conseguir ficar parado por muito tempo, em reuniões, escolas, restaurantes, etc;

Falar demais;

Não conseguir esperar para falar depois da outra pessoa, respondendo uma pergunta antes que seja terminada;

Ter dificuldade de esperar a sua vez;

Interromper ou se intrometer em atividades e conversas, tentar assumir o controle do que os outros estão fazendo ou usar coisas dos outros sem pedir permissão.

Tipos de TDAH – Transtorno de Déficit de Atenção e Hiperatividade

Leve – Nesse tipo de TDAH poucos sintomas podem ser encontrados. Sendo que o transtorno leve causa pequenos prejuízos no funcionamento profissional, acadêmico e social.

Moderado – Sintomas ou prejuízo funcional entre leve e grave podem ser encontrados;

Grave – Muitos sintomas podem ser encontrados. Esse transtorno pode resultar em prejuízo acentuado no convívio social e profissional.

Avaliação do TDAH

A disfunção neurobiológica tem como um dos seus principais fatores a herança genética.

Para diagnosticar uma criança com TDAH é preciso fazer uma avaliação profunda do comportamento dela, do ambiente e da rotina que ela vive em casa e também na escola.

É essencial levar em conta a possível hereditariedade. Quer dizer, os genes podem não ser os responsáveis pelo transtorno em si, mas sim, por uma predisposição da pessoa. Por isso, muitas crianças têm pais tios, avós, irmãos e outros familiares com o mesmo problema.

Portanto, preste muita atenção em seu filho e se ele apresentar algum déficit de atenção procure um especialista para ajudá-lo nesse problema.