Piolho e lêndea: Saiba o que é, como tratar e prevenir nas crianças

Não é de hoje que os pais e professores precisam se preocupar com infestações de piolho e lêndea nas crianças. Cabecinhas coçando demais são um sinal de alerta, então todos devem trabalhar em conjunto para combater.

É preciso estar consciente do que são os piolhos, por que eles aparecem com tanta frequência nos pequenos, como tratar e também como prevenir novos surtos.

Veja tudo isso a seguir.

O que é piolho e lêndea?

Existem variações desse inseto dependendo da parte do corpo atacada. Quando se manifesta no corpo é chamado de muquirana. Quando está nos pelos pubianos, dos cílios e sobrancelhas é o popular chato.

Na cabeça é o piolho, inseto de nome científico Pediculus humanus capitis que dá origem a essa infestação chamada de pediculose.

Os piolhos são transmitidos pelo contato físico, passando de uma cabeça para outra, por isso que são mais comuns em crianças que costumam realizar atividades em conjunto e ficarem sempre perto umas das outras. É esse mesmo fator que torna mais comuns os surtos de gripe em crianças e de outras doenças transmissíveis em ambientes como a sala de aula.

Quando se instalam em um folículo piloso do cabelo, os piolhos se alimentam e depositam seus ovos, que são as lêndeas. Na fase adulta o piolho fica com cerca de 2 ou 3 milímetros e tem uma coloração mais escura, como marrom ou um branco-acinzentado.

Uma fêmea vive em torno de 3 a 4 semanas e coloca até 10 ovos por dia. Sendo assim, se a infestação não for tratada com urgência, uma pessoa (adulto ou criança) pode ficar com até 300 piolhos na cabeça em um mês.

Piolho é perigoso para as crianças?

Os piolhos podem ser perigosos quando a criança está com a cabeça muito infestada. Como eles se alimentam do sangue da criança, existe o risco de desenvolver anemia.

De modo geral os piolhos vão afetar o bem-estar da criança e o seu rendimento escolar porque vão causar coceira intensa e irritação, dificultando a concentração.

Além do mais, a família inteira corre o risco de ser infectada por esses insetos se o tratamento demorar para começar, já que a transmissão ocorre por meio do contato direto. O piolho necessita estar bem perto para passar de uma cabeça para a outra porque ele não pula nem voa, e sim, se arrasta. Mas também há o risco de ficarem insetos na roupa de cama ou escova de cabelo e a transmissão poderá ocorrer dessa forma, embora seja menos comum.

Sintomas e tratamento para piolho e lêndea

O primeiro e mais claro sintoma de piolho e lêndea é a coceira intensa na cabeça, na parte do couro cabeludo por onde os bichinhos estão andando e picando. Por causa da coceira podem se formar pequenas feridinhas, além das marcas deixadas pelas picadas.

Somente em casos de infestações mais graves podem surgir sintomas como ínguas e outras infecções. Todos esses são sinais de alerta para dar uma boa verificada na cabeça das crianças. Caso perceba que a criança realmente está com piolhos, um tratamento deve ser feito imediatamente fazendo uso de medicação. Na dúvida se o seu filho pode usar a medicação, o pediatra deverá ser consultado.

Remédio tópico

O tratamento mais comum para piolho e lêndea é a aplicação de um produto líquido diretamente no couro cabeludo. Esse produto é um inseticida próprio para esse tipo de inseto, como a permetrina. O medicamento deve ser aplicado de acordo com a bula.

Após a aplicação é necessário cobrir o couro cabeludo com uma touca plástica por uns 10 ou 15 minutos. A criança deverá ficar esperando quietinha, evitando que mexa na touca.

Depois do tempo de espera a criança deve ser levada para o banho e o responsável precisa passar um pente fino, que geralmente vem junto com o produto, para remover os piolhos mortos e também as lêndeas que não morrem com o produto. Depois deve-se enxaguar muito bem, deixando a pressão da água na cabeça ajudar a eliminar os insetos.

Após algumas horas é recomendado para o pente fino na cabeça da criança mais uma vez para eliminar possíveis sobreviventes. O mesmo deve ser feito depois de 7 dias para ter certeza de que infestação foi eliminada.

É importante ler a bula com atenção para aplicar a quantidade adequada de medicamento, que varia conforme o peso da criança. Do contrário, poderá não surtir o efeito esperado.

Tratamento para todos

Além da criança, a família inteira deve realizar o mesmo tratamento, que também pode ser feito com medicamentos via oral, caso não queiram realizar todo o procedimento de aplicação no couro cabeludo. Mesmo não apresentando sintomas, todos que vivem na mesma casa devem se tratar.

Dicas para prevenir infestação de piolho e lêndea

Ao perceber que o seu filho está com piolho, deverá avisar a escola para que todos os outros pais da mesma turma sejam alertados. Além desse cuidado essencial, veja outras formas de prevenção:

Verificar a cabeça da criança com frequência na busca por piolho e lêndea ou seus sintomas;

Instruir a criança a não compartilhar escova de cabelo ou chapéus com outras crianças;

Manter os objetos pessoais sempre limpos, como escovas de cabelo e toalhas.

Dúvidas comuns na hora de tratar piolho

Os pais não precisam se preocupar com as faltas na escola, pois não são necessárias. Dividir a mesma sala de aula não quer dizer que a criança pegará piolho.

Da mesma forma, não é necessário cortar o cabelo da criança por causa disso, já que é possível tratar apenas com o remédio tópico, independente do comprimento do cabelo.

Ter piolho não é sinal de falta de higiene, até porque os insetos preferem cabelos limpos. Então, não faz sentido julgar os pais dos coleguinhas do seu filho ao saber de uma infestação.

Por fim, jamais aplique receitas caseiras para eliminar piolho e lêndea. Elas não são seguras e podem resultar em efeitos colaterais. Deve-se usar apenas o medicamento receitado pelo médico ou orientado pelo farmacêutico.

O único ingrediente que pode ser usado junto com o medicamento para ajudar a soltar as lêndeas é o vinagre misturado com a mesma medida de água.

Luana Araujo Silva

Resindência em Enfermagem Neonatal pela Universidade Estadual de Londrina/PR com amplo campo de atuação: Maternidade de Baixo Risco, Maternidade de Alto Risco, Unidade de Cuidados Intermediários e Intensivos Neonatal, Recepção do Recém nascido termo e pré termo na sala de parto. Segmento ambulatorial do recém nascido pré termo Habilitada para inserção e manutenção de Cateter Central de Inserção Periférica (CCIP/PICC), com auxilio de ultrassom e Inserção de Cateter Umbilical Arterial e Venoso. Também possui ampla bagagem na áreade aleitamento materno em recém-nascidos a termo e pré-termo.