quarta-feira , fevereiro 1 2023
viajar de aviao com bebe

Viajar de avião com bebê: Confira dicas para uma boa viagem

Viajar de avião dentro ou fora do país é uma rotina para muitas pessoas, com e sem filhos.

Advertisement

Quem já fazia as viagens antes de ter um bebê, não precisa deixar de fazê-las quando tiver seu pequeno no colo.

Entretanto, viajar de avião com bebê exige atenção especial, tanto por causa das obrigações legais a cumprir quanto pelos cuidados básicos para que o voo seja mais agradável e tranquilo.

Exigências para viajar de avião com bebê

Veja quais são as principais dúvidas dos pais na hora de planejar viajar de avião com bebê pequeno, no que se refere às exigências de documentação, vacinação e passagem.

A partir de quando posso viajar de avião com bebê?

As empresas aéreas só aceitam transportar recém-nascidos com mais de uma semana de vida.

Mesmo assim, os pais só devem fazê-lo em caso de extrema necessidade.

A recomendação dos pediatras é que viajar de avião com bebê só deve ser feito a partir do primeiro ou até do terceiro mês de vida.

Antes desse período o bebê ainda não tem um sistema imunológico bem desenvolvido e ele tem maior risco de contrair doenças das outras pessoas que estão fechadas no mesmo ambiente.

Documentação necessária para viajar de avião com bebê

viajar de aviao com bebe

Para fazer voos nacionais, a Agência Nacional de Aviação Civil (ANAC) informa que você vai precisar apresentar o documento de identidade ou a certidão de nascimento do bebê, original ou cópia autenticada.

Se, por acaso, o bebê não for seu filho, precisará de uma autorização judicial com firma reconhecida garantindo que o bebê está autorizado a viajar com outra pessoa que não sejam seus pais ou responsáveis legais maiores de 18 anos.

Para fazer voos internacionais é necessário fazer um passaporte para o bebê.

Lembre-se que, para crianças com menos de 5 anos, a data de validade do passaporte é reduzida (para adultos, vale por 10 anos). Então, cuidado para não deixar o documento vencer antes de viajar. Se for para um país que exige visto, vai precisar fazer também para o bebê.

Se a viagem for somente com a mãe, é necessário levar uma autorização por escrito do pai e com firma reconhecida.

Bebês pagam passagem de avião?

A ANAC informa que crianças menores de 2 anos podem sim ter a passagem cobrada e sem qualquer desconto.

Algumas empresas aéreas podem optar por não cobrar ou dar descontos na passagem de crianças de colo, mas essa é uma regra definida por cada empresa, então a dica é ler com atenção as condições oferecidas pela empresa da sua escolha.

Bebês precisam se vacinar contra febre amarela para viajar?

Sim. No caso de voos nacionais, a maioria dos estados brasileiros exige que as pessoas estejam vacinadas, como uma orientação do Ministério da Saúde por se tratarem de regiões endêmicas ou de risco.

Porém, essa vacina já faz parte do Calendário de Vacinação Oficial da Sociedade Brasileira de Pediatria a partir dos 9 meses de vida e, depois, a cada 10 anos. Mas se o seu bebê tiver menos de 9 meses, a recomendação é que ele não viaje para as regiões de risco, pois não é indicado antecipar essa vacina por causa da fragilidade de saúde do bebê.

Dicas e cuidados para viajar de avião com bebê

Depois de conhecer as principais exigências legais, é importante saber como se comportar com seu bebê no voo, visando o conforto dele, o seu e dos demais passageiros.

Necessidades básicas no voo

Para o seu bebê, não faz a menor diferença estar em casa, na creche ou dentro de um avião. As necessidades de troca, alimentação e sono serão as mesmas.

Dessa forma, leve com você todas as papinhas, fraldas e lenços umedecidos sempre à mão e os itens que ele usa para pegar no sono com tranquilidade.

A dica é evitar deixar o bebê sem comer por mais de 3 horas e trocá-lo assim que perceber a fralda suja. Vai ser mais confortável para ele e também será respeitoso com os demais passageiros.

Aqui é importante lembrar que é permitido levar na bagagem de mão as papinhas, mamadeira e remédios para o bebê, desde que seja apenas na quantidade que será usada durante o voo. Então, faça os cálculos com antecedência para não passar pelo incômodo de ter que deixar tudo no aeroporto.

Como trocar de fraldas no avião?

Essa questão é um pouco delicada porque exige que os pais ou responsáveis pelo bebê tenham bom senso.

Claro que a maioria das pessoas no voo compreendem que um bebê tem necessidades especiais, mas nem por isso você precisa trocar a fralda de cocô do seu filho ao lado dos outros passageiros, a menos que não tenha qualquer outra opção.

Uma dica é trocar o bebê antes de embarcar e, assim que entrar no avião, perguntar aos comissários se há fraldário ou um ambiente mais reservado para realizar as trocas. Entretanto, se não tiver opção, não deixe de trocar o seu bebê por causa disso.

Ele precisa estar confortável para ter uma viagem tranquila. Apenas avise antes as pessoas ao lado como uma forma de respeito.

Para a tranquilidade de todos, prefira voos noturnos

Para que a viagem seja mais tranquila para todos, uma dica interessante é escolher um voo noturno, de acordo com o horário normal de sono do seu bebê.

Assim, ele vai estar descansando na maior parte da viagem, o que vai permitir que você também descanse e a viagem passe mais rápido.

Advertisement

AUTOR: Luana Araujo Silva

Resindência em Enfermagem Neonatal pela Universidade Estadual de Londrina/PR com amplo campo de atuação: Maternidade de Baixo Risco, Maternidade de Alto Risco, Unidade de Cuidados Intermediários e Intensivos Neonatal, Recepção do Recém nascido termo e pré termo na sala de parto. Segmento ambulatorial do recém nascido pré termo Habilitada para inserção e manutenção de Cateter Central de Inserção Periférica (CCIP/PICC), com auxilio de ultrassom e Inserção de Cateter Umbilical Arterial e Venoso. Também possui ampla bagagem na áreade aleitamento materno em recém-nascidos a termo e pré-termo.

VEJA TAMBÉM:

economizar nas fraldas

Dicas de mãe para Economizar nas Fraldas

As fraldas descartáveis são uma inovação que veio facilitar muito a vida das mães, mas …