Desemparedamento da Infância- O movimento para tirar as crianças do interior das escolas

A escola é um dos ambientes mais importantes na vida de um ser humano, pois, é nela que aprendemos muitas coisas, conseguimos amigos e aprendemos a viver socialmente.

Porém, uma tendência que está ganhando força no mundo todo é o desemparedamento da infância.

O que é desemparedamento da infância?

O desemparedamento da infância quer dizer as crianças trocarem algumas vezes as paredes da escola e de casa pelo ar livre.

Vários estudos dizem que o contato com a natureza faz muito bem às crianças.

Advertisement

Entre as vantagens está o fortalecimento do sistema imunológico, sentidos mais apurados e consciência ambiental. Porém, em um ambiente cada vez mais urbano, é difícil que os pequenos passem um tempo ao ar livre.

Para fazer com que as crianças entrem mais em contato com a natureza a dica é passar algum tempo com elas em um ambiente repleto de verde.

Riscos do afastamento das crianças da Natureza:

obesidade infantil,

Advertisement

hiperatividade

déficit de atenção

desequilíbrio emocional

miopia

Advertisement

falta de coordenação motora, agilidade e equilíbrio.

Restringir uma criança a um espaço fechado faz com que ela perda a chance de treinar estas habilidades, brincar de forma independente e ela se movimenta menos.

A criança precisa de quanta natureza?

A SBP (Sociedade Brasileira de Pediatria) lançou um manual a respeito do assunto, dizendo que as crianças necessitam de pelo menos uma hora por dia de convivência em parques, praças e diversas áreas com natureza.

O documento traz orientações aos pais, como a importância do exemplo dos adultos no carinho com o meio ambiente, mas especialmente, ao poder público.

Advertisement

Para a instituição, é necessário garantir que crianças tenham acesso a espaços ao ar livre naturais, seguros e conservados, no mínimo, de dois quilômetros de casa.

O papel da escola

O contato diário das crianças com a natureza pode acontecer em creches e escolas.

Já que é nelas onde as crianças passam a maior parte do tempo, independente da sua situação econômica. Entretanto, pesquisas revelam que as crianças têm pouco contato com a natureza nesses espaços.

Dicas para as crianças ficarem mais tempo em contato com a natureza

Pensando na qualidade e no tempo das crianças em contato com a natureza, o Instituto Alana criou em 2018 um livro que destaca as escolas como ambientes perfeitos para incentivar e estimular as experiências ao ar livre.

Advertisement

O livro traz muitas dicas para o melhor aproveitamento de pátios e outras áreas. Veja algumas:

Nos dias de chuva, aproveite as poças de lama e no frio faça uma fogueira.

Deixe as crianças pisarem e mexerem na terra, grama, água e outros elementos da natureza.

Vá a feira livre do seu bairro com seu filho, mostrando a ele os legumes e as frutas que ele ainda não conhece.

Advertisement

Procure fazer sempre um piquenique no parque. Ele pode ser feito uma vez por semana ou por mês.

Faça uma horta em casa ou cuide de plantas.

Quando for a uma praça com seu filho, explore os objetos soltos no espaço, como flores, gravetos e folhas.

Converse com comércios ou igrejas próximas com quintal para usar o espaço na criação de um pomar ou de outra plantação.

Advertisement

Ofereça as suas crianças brinquedos feitos com materiais naturais, como madeira, que tenham marcas do tempo, peso, aroma e textura distintos.

Portanto, o desemparedamento na infância é muito importante para criar crianças saudáveis e felizes.

A natureza faz parte de todos nós, por isso, não tem sentindo uma criança crescer trancada em casa ou na escola.

Advertisement
Advertisement
Luana Araujo Silva

Resindência em Enfermagem Neonatal pela Universidade Estadual de Londrina/PR com amplo campo de atuação: Maternidade de Baixo Risco, Maternidade de Alto Risco, Unidade de Cuidados Intermediários e Intensivos Neonatal, Recepção do Recém nascido termo e pré termo na sala de parto. Segmento ambulatorial do recém nascido pré termo Habilitada para inserção e manutenção de Cateter Central de Inserção Periférica (CCIP/PICC), com auxilio de ultrassom e Inserção de Cateter Umbilical Arterial e Venoso. Também possui ampla bagagem na áreade aleitamento materno em recém-nascidos a termo e pré-termo.