Bebês choram dentro da barriga da mãe- Segundo Estudo

Hoje em dia, os avanços tecnológicos permitem que as mães criem um laço mais forte com seus bebês, ainda no ventre. O amor de mãe é um amor de alma, todo mundo sabe.

Mas mesmo assim, é uma explosão de emoções poder ver o rostinho do bebê e todos os seus movimentos dentro do útero graças aos exames de imagem em 4D.

Por meio de exames como esse, pesquisadores começam a acreditar que os bebês choram dentro da barriga da mãe.

Será que os bebês choram dentro da barriga da mãe?

A pesquisa que trouxe essa novidade a público foi realizada por pesquisadores das universidades inglesas de Durham e Lancaster e divulgada no site da BBC News.

Nessa pesquisa, os profissionais analisaram vídeos de exames em 4D de 8 meninas e 7 meninos, nos quais puderam observar que os fetos, todos saudáveis, faziam diversas expressões, inclusive a de choro, deixando o rostinho todo enrugado.

Eles acreditam que essas expressões não tenham a ver com sentimentos reais, mas sim, com a maturidade cerebral que faz os bebês desenvolverem, ainda no útero, as expressões faciais necessárias para conseguirem demonstrar seus sentimentos e sensações logo ao nascerem.

Ou seja, é mais uma prova da perfeição da natureza para permitir que bebês e seus pais consigam se comunicar e se compreender, mesmo sem a fala e logo após o nascimento.

A importância de identificar as expressões faciais dos fetos

Como deve imaginar, esse estudo foi realizado por objetivos maiores, não apenas para saber se os bebês choraram dentro da barriga da mãe. De acordo com Dr. Reissland, professor da Universidade de Durham envolvido no estudo, “é vital que os bebês possam demonstrar dor assim que nascerem, para que possam comunicar qualquer sofrimento ou dor que possam sentir aos seus cuidadores”.

Mas nem sempre essas expressões acontecem, como no caso de fetos portadores de determinadas síndromes desenvolvidas antes mesmo do nascimento.

Por isso que é relevante conhecer todas as expressões que os bebês fazem dentro da barriga da mãe, permitindo que seja possível identificar problemas na ausência desses movimentos considerados normais.

Mesmo assim, o estudo não deixou claro que, realmente os bebês choram dentro da barriga da mãe, ou seja, ainda no útero. Mas sim, que realizam expressões mais complexas em toda a face, enrugando os olhinhos e sobrancelhas, além do queixo e da boca, como são os movimentos naturais de choro.

O mesmo vale para expressões como sorrisos que também são facilmente identificados em ultrassonografias 4D.

Esse estudo abre uma janela para outras pesquisas mais aprofundadas que, num futuro próximo, trará novos métodos de diagnóstico de síndromes em fetos, permitindo preparar os pais e até realizar cirurgias no feto antes do nascimento, como também já está começando a acontecer.

Hoje em dia já existem exames como o teste da bochechinha que é capaz de detectar mais de 280 síndromes raras apenas com a coleta de saliva do bebê. Mas esse exame só é possível após o nascimento. Quem sabe, nos próximos anos, muitas doenças e condições de saúde possam ser prevenidas ou tratadas ainda durante a gestação, graças a estudos como esse.

Advertisement
Luana Araujo Silva

Resindência em Enfermagem Neonatal pela Universidade Estadual de Londrina/PR com amplo campo de atuação: Maternidade de Baixo Risco, Maternidade de Alto Risco, Unidade de Cuidados Intermediários e Intensivos Neonatal, Recepção do Recém nascido termo e pré termo na sala de parto. Segmento ambulatorial do recém nascido pré termo Habilitada para inserção e manutenção de Cateter Central de Inserção Periférica (CCIP/PICC), com auxilio de ultrassom e Inserção de Cateter Umbilical Arterial e Venoso. Também possui ampla bagagem na áreade aleitamento materno em recém-nascidos a termo e pré-termo.