Tratamento da toxoplasmose na gravidez

A toxoplasmose é uma infeção causada pelo protozoário Toxoplasma Gongii, presente na terra contaminada, nas fezes de alguns animais, e na carne mal passada ou crua.

Esta infeção, sendo pouco problemática para uma mulher adulta, pode no entanto ser muito perigosa para o feto em desenvolvimento.

Neste artigo pode conhecer quais os sintomas desta infeção na gravidez, os perigos para o bebé, e ainda, o tratamento da toxoplasmose na gravidez.

Toxoplasmose na gravidez

Muitas mulheres são infetadas com toxoplasmose durante a sua vida, sem que o saibam, ganhando por isso imunidade. Nesses casos, quando a mulher engravida, não existe perigo para o bebé.

Contudo, se nunca foi infetada com este parasita, então isso significa que não tem imunidade.

Nesta situação, se for contaminada com toxoplasmose durante a gravidez, isso acarretará vários perigos para o bebé. Conheça de seguida dos sintomas da toxoplasmose na gravidez.

taxoplasmose-tratamento

Sintomas da toxoplasmose na gravidez

Apesar de na maioria das situações a toxoplasmose ser assintomática, existem no entanto alguns sinais que poderão surgir. Assim, os sintomas da toxoplasmose na gravidez incluem:

– calafrios;
– febre;
– dores musculares;
– gânglios inchados;
– fígado inchado.

Riscos da toxoplasmose na gravidez

Quando a mulher é contaminada com este parasita durante a gravidez, os riscos para o bebé são muito elevados, já que poderá ser-lhe transmitida a infeção.

Nos primeiros três meses, apesar de o risco de transmissão da infeção da mãe para o bebé ser baixo, há no entanto elevado risco de complicações e lesões.

Estes incluem: hidrocefalia, aborto espontâneo, surdez, convulsões, lesões nos olhos, cegueira, calcificações cerebrais, atraso mental e atraso do desenvolvimento.

Quanto mais adiantada estiver a gestação, maior o risco de transmissão, mas menores os riscos de complicações.

Tratamento para toxoplasmose na gravidez

Caso seja infetada durante a gravidez, deve ser imediatamente iniciado o tratamento, de forma a reduzir o risco de transmissão da infeção para o feto.

Além disso, deve ser também realizado um exame específico, denominado de cordocentese, de forma a perceber se o bebé foi infetado ou não.

O tratamento irá consistir na toma de antibióticos. No primeiro trimestre, o antibiótico usado é a espiramicina.

No segundo e terceiro trimestres, deve ser tomado uma combinação de ácido folínico, pirimetamina e sulfadiazina.

Compartilhar ;)

Tratamento da toxoplasmose na gravidez