Incompatibilidade Sanguínea Entre Mãe e Bebé

A gravidez é um processo natural, a gravidez deve ser seguida por um médico para que corra tudo da melhor maneira. Ao longo da gravidez são feitas várias análises e ecos para acompanhar o crescimento do bebé e conformar que a gravidez ocorre de forma saudável.

Uma das questões colocadas aos futuros pais é o tipo de sangue, este elemento é muito importante porque pode existir uma incompatibilidade sanguínea entre a mãe e o bebé.

O que é a incompatibilidade sanguínea entre a mãe e o bebé

Ocorre quando a mãe possui o factor Rh- e o pai factor Rh+, neste caso existe a probabilidade de gerar um feto com o factor Rh+ , causando a incompatibilidade.

Para evitar futuros problemas entre a mãe e o feto é muito importante a realização de exames pré natais para determinar o tipo de sangue dos progenitores,

Quando existe incompatibilidade do Rh, caso o bebé tenha o Rh positivo herdado do pai e a mãe possua o fator Rh negativo existe o risco de o feto falecer na gestação ou após o nascimento, ou o recém-nascido nascer com anemia, icterícia grave, surdez e paralisia cerebral, porque o corpo da mãe desenvolve anti corpos para combater o elemento “intruso”.

Felizmente, com os avanços da medicina o risco de isto acontecer numa gravidez planeada e com acompanhamento médico quase não existe.

O importante é o sangue da mãe não entrar em contato com o sangue do bebé para não criar anti corpos para o combater.

O que fazer em caso de incompatibilidade

Hoje em dia é aplicada uma vacina, geralmente na 28ª semana de gestação e uma substância gamaglobulina anti-Rh, administrada à mãe no espaço de 72 horas após o parto.

Consiste num concentrado que vai bloquear o processo que produz os anticorpos contra o sangue do bebé, revestindo todas as células Rh+ que penetram na sua circulação e impedindo-as de dar origem à produção de anticorpos.