Como tratar a garganta inflamada na gravidez

A garganta inflamada é um problema comum, especialmente na estação fria, tendo soluções simples. Contudo, durante a gravidez, os cuidados a ter com o tratamento de uma inflamação da garganta são maiores, já que a gestante não pode tomar certos medicamentos.

Se está grávida e tem a sua garganta inflamada, então de seguida poderá conhecer o que tem de fazer para tratar este problema, sem colocar em causa a saúde do seu bebé.

Como tratar

A garganta inflamada na gravidez é geralmente tratada através da adoção de algumas medidas caseiras, sem quaisquer contraindicações para gestantes. Contudo, por vezes a gravidade da inflamação pode obrigar à toma de medicamentos.

No entanto, esta toma tem de ser indicada pelo médico obstetra, já que existem remédios contraindicados para as gestantes, que podem causar problemas no crescimento e desenvolvimento do bebé, ou até mesmo provocar malformações no feto.

Como tal, em circunstância alguma, deve tomar qualquer medicamento sem ser prescrito pelo seu médico obstetra.

Se tal for decidido pelo seu médico, poderá tomar paracetamol, ou então, antibióticos adequados para gravidez, como a Cefalexina ou a Amoxicilina.

Remédios caseiros

Existem diversos remédios caseiros que podem ser utilizados pelas gestantes para tratar a garganta inflamada na gravidez.

Soluções simples como um sumo de romã, o reforço da ingestão de frutos ricos em vitamina C (tangerinas, laranjas, etc.), gargarejar a garganta com água morna e sal, etc.

Confira de seguida mais alguns remédios caseiros para tratar a garganta inflamada na gravidez:

  • chá de gengibre com limão (três chávenas por dia);
  • mel com extrato de própolis (duas colheres de mel com 10 gotas de extrato de própolis por dia);
  • chá de romã (três chávenas por dia).

Todos estes remédios caseiros têm propriedades que ajudam a fortalecer o sistema imunitário e a promover a redução da inflamação. Utilizando estas soluções caseiras, os sintomas começam a melhorar passados 3 dias.

No entanto, caso persistam, isso significa que outras medidas podem ter que ser tomadas, devendo para isso consultar o seu médico obstetra.